Crise Hídrica em São Paulo

Postado por diegojose - 28 de outubro de 2016 - Notícias - Nenhum Comentário

Crise Hídrica em São Paulo

Crise Hidrica

Crise Hidrica

A crise hídrica em São Paulo é o evento que se refere ao momento crítico da seca e da redução de água iniciado em 2014 no estado mais populoso do Brasil.

O Sistema Cantareira é um conjunto de represas criado por volta dos anos 1970 como resposta rápida ao crescimento populacional em São Paulo. As represas ficam nas nascentes da bacia do Rio Piracicaba, a cerca de 70 quilômetros da capital.
Em 2004 veio o primeiro sinal, neste ano a Sabesp, empresa de abastecimento de São Paulo, renovou a autorização para administrar a água na cidade. Mas tinha algo errado, a estrutura dos reservatórios parecia ser insuficiente para dar conta da demanda e seria preciso realizar obras para aumentar a capacidade de armazenamento de água.

De acordo com os planos da Sabesp, a cidade de São Paulo ficaria dependente do sistema da Cantareira, o que era preocupante. Se a água dos tanques do sistema acabasse, seria um caos. Então foi em julho de 2014, o volume útil da Cantareira, que atende mais de 8,8 milhões de pessoas na Grande São Paulo, esgotou. Com o reservatório vazio e a falta de chuva, São Paulo se afogou na maior crise hídrica dos últimos 80 anos.


Para tentar diminuir o problema, a Sabesp decidiu usar o volume morto, uma reserva quem tem aproximadamente 400 bilhões de litros de água, que fica abaixo das comportas que retiram água do Sistema Cantareira. Então obras foram feitas para bombear mais de 180 bilhões de litros de água dessa reserva. O volume morto jamais tinha sido usado antes, mas até que resolveu o problema por um tempo.

Nas previsões da Agência Nacional das Águas (ANA), órgão federal responsável pela gestão dos recursos hídricos brasileiros, é que a reserva dure até novembro. A Sabesp deseja fazer obras para bombear mais alguns bilhões de litros de água do volume morto, para garantir o abastecimento por mais alguns meses a mais. A estimativa mais otimista da Sabesp é de que haja água suficiente até março de 2015. Depois disso, a unica esperança é a chuva. Se chover como o previsto a partir de outubro de 2014, o Sistema Cantareira pode voltar a operar com 30% de seu volume. O que não é muita coisa, mas é o melhor dos cenários.

Medidas Para Menor Consumo de água

Para tentar diminuir o consumo de água a Sabesp pensou numa forma de economizar, ao invés de um racionamento, a Sabesp decidiu que quem economizar em pelo menos 20% terá um desconto de 30% na sua conta mensal de água. A Sabesp também diminuiu a pressão do abastecimento e começou uma campanha de conscientização com a população. Mas desde o fim da Copa do Mundo, moradores de alguns bairros de São Paulo já vem sentindo o efeito da crise quando falta água nas torneiras e chuveiros.

Especula-se que mesmo se chover mais do que qualquer otimista é capaz de prever, mesmo se a população compreender e apoiar a necessidade urgente de uma redução drástica no consumo de água, ainda seria preciso ter um plano de gestão mais eficiente. A recuperação do nível do Sistema Cantareira pode demorar até 10 anos. Enquanto isso, a população de São Paulo vai continuar a crescer cada vez mais. E em algumas décadas, pode ser que nem os reservatórios atuais cheios deem mais conta do recado.

 

Sistema Frágil da Cantareira

Sistema Cantareira

Sistema Cantareira

O governo de são paulo diz que a razão da crise de água na cantareira é o clima “Com mudanças climáticas, tem ano em que chove demais e, em outros, de menos”, Geraldo Alckmin em entrevista também disse que essa “é uma situação excepcional”

Depois do verão mais quente e seco em tempos, o nível do conjunto de reservatórios da região metropolitana, o sistema da cantareira, chegou a 14,6%, o mais baixo desde que foi criado em 1974. foi formado um comitê anticrise pela ANA (agente nacional de águas) e pelo departamento de águas e energia (Daee) e também pela companhia de saneamento básico do estado de são paulo (Sabesp), e estima-se que se nada for feito o Cantareira se esgotará pela primeira vez.

Nenhum Comentário

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *