O que é Bitcoin?

Postado por Flávio Coutinho - 6 de março de 2014 - Economia - Nenhum Comentário

Em Berlim, um bairro que apresentou uma forma alternativa de economia:

o-que-e-bitcoin-11

Um restaurante/café de Berlim chamado Room 77 aceita uma forma de pagamento que há não muito tempo era considerada uma brincadeira, para economistas “o mesmo que aceitar dinheiro de banco imobiliário”, os bitcoins, moeda que não é aceita por nenhum banco ou governo. E não é só o café que aceita a moeda digital como sendo o mesmo que dinheiro, nesse mesmo quarteirão há bares e restaurantes que fazem o mesmo, além de uma loja de eletrônicos e um sebo de discos. A negociação é feita a partir do celular, que escanea um código de barras e posteriormente um valor é digitado, feito isso está pago. Bitcoinkiez, como ficou conhecida a região é apontada como sendo a região onde é possível viver da melhor forma sem que haja a necessidade de recorrer a moedas emitidas por qualquer governo. O Room 77 mesmo se considera o “restaurante no fim do capitalismo”. Foi em 2010 que aconteceu a primeira compra de um objeto concreto feita com bitcoins, segundo relatos um indivíduo ofereceu 10 mil dessas moedas para quem mandasse duas pizzas até sua casa. Na época um bitcoin valia algo em torno de 3 centavos, hoje ele equivale a 200 reais, tal valorização aconteceu devido a uma adesão cada vez maior por parte de usuários e também de comerciantes.

o-que-e-bitcoin-16

No Brasil há casos semelhantes de “moedas alternativas” serem usadas em periferias, mas também há algumas poucas adesões aos bitcoins, como é o caso de uma pousada do litoral paulista. O bitcoin foi inventado no ano de 2008 para ser uma economia independente dos governos e 100% virtual e ele já possui um pré-requisito fundamental para funcionar como dinheiro: ser algo que as pessoas querem e acreditam ter valor. Além disso, a quantidade de moedas no mercado é controlada e vai diminuindo automaticamente com o tempo, ou seja, é um recurso escasso. Um balanço da soma de todos os bitcoins circulando no mundo feita exatamente um ano atrás mostrou que o valor superava o de 1 bilhão de dólares pela primeira vez. Boa parte dos economistas acha isso um absurdo, argumentando que a adesão de algo do tipo é loucura, sendo o mesmo que aceitar dinheiro de Banco Imobiliário. Já os favoráveis à ideia apontam essa como sendo uma das maiores inovações provocadas pela internet, tão impactantes quanto e-commerce e MP3. O bitcoin é uma forma de inovação no produto social considerado mais valioso atualmente: o próprio dinheiro e segundo Rafael Kenski, da Revista Super Interessante que teve a oportunidade de visitar o Room 77, dizer ao caixa que iria pagar com bitcoins teve o mesmo peso que teria dizer que iria usar dinheiro ou cartão de crédito. Tal hospitalidade faz com que o Bitcoinkiez seja uma região frequentada não só pelos locais, mas acaba atraindo também estudantes, a maioria deles jovens, e um público de fora interessado em passar por ali apenas para gastar suas moedas digitais. Os comerciantes apelidam esse movimento extra de “turismo bitcoin”.

O Caso dos Jogos de RPG

o-que-e-bitcoin-13

Os mais antenados em tecnologia sabem que moedas eletrônicas não são algo tão distante da realidade e nem uma ideia futurista, apesar de por vezes serem restritas a um pequeno grupo, já que em jogos on-line como Second Life, World of Warcraft e Tibia, há uma moeda para comprar bens dentro do âmbito do jogo, mas há quem esteja disposto a pagar por esse dinheiro ou esses bens com moeda de verdade. É possível que você pense que o impacto de tal alto não seja tão considerável, mas o Banco Mundial apontou em 2011 que esse valor gerou uma economia de 6,3 bilhões de reais. Saber de algo assim nos faz ter dimensão do potencial da internet para serviços bancários. Teoricamente não há nada que impeça a realização de transferência instantâneas para qualquer lugar do mundo com anonimato e taxas baixas.

Sydney Pub To Accept Bitcoin Virtual Currency

Empresas como a Liberty Reserve e a e-gold vinham fazendo isso ao longo da última década, mas como isso abriu uma via para criminosos as empresas acabaram sendo fechadas e os donos condenados pela premissa de facilitar a lavagem de dinheiro. Uma mesma facilidade nas transações pode ser percebida com o bitcoin e sua diferença primordial é que ele é totalmente descentralizado, ou seja, não tem dono, o que faz dele menos parecido com as cédulas que carregamos conosco nas carteiras e bolsos e mais parecido com barras de ouro, algo que governo algum inventou, mas que é valioso e equivale a dinheiro. Por esse “ouro” ser virtual, ele dispensa a necessidade de criação de políticas monetárias e também de confiar em banqueiros para tomarem conta do que é seu. Essa moeda funciona de forma independente, seguindo apenas às regras inscritas no software, que podem ser verificadas por qualquer pessoa. É tarefa árdua criar um sistema desse tipo, já que requer rastrear quem de fato tem ou não o dinheiro e evitar que pessoas gastem a mesma moeda mais de uma vez, já que é possível copiar infinitamente tudo aquilo que é digital. Dessa maneira, todas as transações realizadas em bitcoin são processadas por uma enorme rede de computadores a cada dez minutos depois de serem reunidas em pacote. Apenas voluntários compõem essa rede e como recompensa 25 bitcoins são sorteados entre eles a cada pacote. O processo recebeu o apelido de “mineração”, já que é assim que novas moedas entram em circulação.

O Sonho de uma Moeda que não Dependa de Governos

o-que-e-bitcoin-5

É evidente que algo que se proponha a mudar a economia fará muitos inimigos, mas pensar em algo assim nas décadas de 80 e 90 aqui no Brasil, período de hiperinflação, teria sido bem interessante, já que além de ser aceito em qualquer lugar, é um tipo de pagamento fácil e barato, protegido da inflação e que poderia até mesmo valorizar. Dessa maneira, quando o Plano Collor confiscasse a poupança na década de 90, quem tivesse apostado na moeda virtual teria se safado. A principal ameaça que o bitcoin sofre é a de se tornar obsoleto, o que não acontece com as moedas tradicionais que serão sempre necessárias, ainda que para pagar impostos.

 

Nenhum Comentário

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *